Photobucket

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

São Paulo amplia proteção da Mata Atlântica


(Foto: © WWF-Brasil / Instituto Ekos Brasil / R.A.F. Lima)








Com mais de nove mil hectares, a mais nova área protegida de São Paulo abriga rios, espécies ameaçadas e exclusivas e será um espaço dedicado ao ecoturismo, lazer e educação ambiental para os brasileiros

Fonte: Maristela Pessoa/Comunicação WWF-Brasil

O Parque Estadual Restinga de Bertioga, em São Paulo, está oficialmente criado. O decreto assinado pelo governador Alberto Goldman foi publicado hoje, 10 de dezembro, no Diário Oficial do Estado de São Paulo. Com 9,3 mil hectares, o parque está inserido no município de Bertioga, onde ajudará a manter a biodiversidade e serviços ambientais úteis a toda a sociedade, além de formar um “corredor ecológico” interligando regiões litorâneas à Serra do Mar. Como unidade de conservação de proteção integral, ele será mais um espaço dedicado ao ecoturismo, lazer e educação ambiental para os brasileiros.

A criação do parque havia sido aprovada pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Consema) no fim de outubro, e é uma prioridade para o WWF-Brasil, que promoveu ações para mobilização pública e via Internet, colhendo amplo apoio social à ampliação da área protegida na Mata Atlântica. A região agora oficialmente protegida abriga rios que abastecem a região e espécies ameaçadas e exclusivas do bioma estava antes vulnerável à pressão imobiliária e turística desordenada.

“A criação do parque representa uma vitória de um processo que contou com amplos estudos técnicos e ajuda a completar uma lacuna importante na conservação da Mata Atlântica, pois não havia nenhuma amostra suficientemente protegida das restingas no centro do estado. Os processos de consulta pública e de negociação política foram exaustivos, aceitando alternativas de conservação privada. Por isso louvamos a iniciativa do Governo de São Paulo e reafirmamos nosso empenho de continuar apoiando o sistema estadual para melhorar sua gestão. Vale ressaltar que, diferentemente do que alguns qualificam como entrave ao desenvolvimento, áreas como o parque de Bertioga valorizaram ainda mais o turismo nessa região magnífica do litoral brasileiro”, ressaltou Claudio Maretti, superintendente de Conservação do WWF-Brasil.

A especialista em conservação da Mata Atlântica do WWF-Brasil, Luciana Simões, comenta que agora será necessário implementar o mais novo parque estadual de São Paulo, destinando recursos e infraestrutura para sua gestão e fiscalização, o que pode ocorrer em parceria com o próprio município de Bertioga. Além disso, lembra ela, é preciso formar um conselho gestor com representação equilibrada entre governo e sociedade e disparar a elaboração do plano de manejo, espécie de manual de uso da unidade. “O WWF-Brasil seguirá apoiando esse processo, como já faz há seis anos, sempre com vistas à ampliar e qualificar a conservação da biodiversidade e da Mata Atlântica”, disse.

Confira aqui o decreto de criação do Parque Estadual da Restinga de Bertioga. A Área de Relevante Interesse Ecológico Itaguaré, com 58 hectares, também em Bertioga e já aprovada pelo Consema/SP, não foi contemplada no texto.

Mata Atlântica - Com suas florestas, campos, restingas e manguezais reduzidos a menos de um terço da área original, a Mata Atlântica é hoje o mais degradado dos biomas brasileiros. Menos de 8% de sua vegetação estão bem conservados. Mesmo assim, seus remanescentes ainda prestam “serviços ambientais” indispensáveis a 123 milhões de brasileiros (67% da população) que vivem na região, como proteger e manter rios, lagos, evitar a queda de encostas, regular o clima e a qualidade do ar.

Estudo da Rede WWF e do Banco Mundial revelou que mais de trinta das 105 maiores cidades do mundo, incluindo Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Salvador e Fortaleza, dependem da água fornecida por unidades de conservação e avaliou que as matas distribuídas às margens de cursos d´água na Mata Atlântica estão comprometidas. Quando preservadas, por exemplo, servem para conter enchentes e proteger a biodiversidade formando corredores entre áreas conservadas.

Atualmente, existem 123 unidades de conservação federais e 225 unidades de conservação estaduais na Mata Atlântica, somando quase 75 mil quilômetros quadrados.

Sobre o WWF-Brasil

O WWF-Brasil é uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e de promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. O WWF-Brasil, criado em 1996 e sediado em Brasília, desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.



Leia mais em: WWF Brasil


0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados, são de responsabilidade dos seus autores.