Photobucket

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

HISTÓRIA DA TELEVISÃO NO BRASIL e HISTÓRIA DA IMPRENSA NO BRASIL

(Editora Contexto - Repodução)










As vozes ganham rostos, as palavras ganham vidas e as fotografias ganham movimentos. A televisão completa 60 anos no Brasil. Obra descreve como essa mídia mudou com o tempo, criou modas, palavras e conceitos. É a história sobre o prisma televisivo

Fonte: Fábio Diegues
Assessoria de Imprensa - Editora Contexto


Em 18 de setembro de 1950 o Brasil viu, pela primeira vez, a televisão em funcionamento. A transmissão sofreu problemas, os aparelhos eram escassos e a programação uma incógnita. Ainda assim, inaugurou-se uma nova relação do brasileiro com o mundo da imagem. História da televisão no Brasil conta em detalhes a trajetória desse meio de comunicação, analisando sua importância na estruturação da política, da economia e da cultura brasileiras, além do seu impacto no público. Os jornalistas Ana Paula Goulart Ribeiro, Igor Sacramento e Marco Roxo são os organizadores da obra, que conta com 15 autores das áreas de Antropologia, Comunicação, História e Sociologia. Os textos foram divididos em seis partes, seguindo as décadas de existência da televisão no Brasil.

Na primeira, “Anos 1950: a televisão em formação”, são analisadas a sua estruturação, as experimentações realizadas pelas primeiras emissoras (TV Tupi, TV Paulista, TV Record e TV Rio) e a emergência de um público televisivo. Na segunda parte, “Anos 1960: a televisão em ritmo de popularização”, discute-se a televisão no momento em que houve o aumento de telespectadores das classes populares e a consequente produção de programas que procuravam conquistá-los.

A terceira parte, “Anos 1970: a televisão em tempos de modernização”, trata das transformações por que a televisão brasileira passou na década de auge e declínio da ditadura militar. A televisão se modernizou não só pela sua centralidade no projeto de integração nacional do Estado autoritário, mas também pela necessidade mercadológica de renovação. A quarta parte do livro, “Anos 1980: a televisão em transição democrática”, discute as novas formas de popularização da televisão brasileira no contexto de distensão política e de reconfiguração do mercado com o fim da TV Tupi, o aparecimento do SBT e da TV Manchete.

“Anos 1990: a televisão em divergência” é o título da quinta parte, que analisa as mudanças no cenário televisivo diante da consolidação de um modelo democrático neoliberal no país. Finalmente, a última parte, “Anos 2000: a televisão em convergência”, retrata as transformações na programação ocasionadas pela produção de novos formatos, pelo boom de reality shows, pela digitalização da TV e pela crescente relação com o cinema e com a internet.

É através dessas décadas que os autores narram as transformações do meio – e da sociedade. Dos programas de auditório aos humorísticos, das novelas às minisséries, dos jornais aos programas interativos, o livro é um passeio indispensável para estudantes, professores na área de comunicação e todos aqueles que querem conhecer a televisão brasileira.

Ana Paula Goulart Ribeiro é graduada em Jornalismo pela Universidade Federal Fluminense (1990), tendo também cursado História na mesma instituição.

Igor Sacramento
é graduado em Comunicação Social/Jornalismo (2005), mestre (2008) e doutorando (desde 2008) em Comunicação e Cultura pela ECO/UFRJ.

Marco Roxo é graduado em Comunicação Social/Jornalismo pela UFF (2000). Tem mestrado (2003) e doutorado (2007) em Comunicação pelo Programa de Pós-Gradua-ção em Comunicação da UFF.

Autores: Alexandre Bergamo – Alexandre Figueirôa – Ana Silvia Médola – Beatriz Becker – Denis Gerson Simões – Cristina Brandão – Kleber Mendonça – Léo Vitor Redondo – Marcos Napolitano – Maria Celeste Mira – Marialva Carlos Barbosa – Marina Caminha – Regina Mota – Valério Cruz Brittos – Yvana Fechine

Você pode adquirir um dos exemplares, ou os dois juntos, com um desconto especial!

Leia mais em: Editora Contexto

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários aqui postados, são de responsabilidade dos seus autores.